MyTravels

Viagem a Phnom Penh: o que ver e o que fazer!

Nestes dias de ano novo chinês aproveitei para rumar a Phnom Penh no Camboja [parece que o nome Cambodja entrou em desuso e agora em português diz-se Camboja]. Razões? Um voo directo de 2h3o, temperaturas a rondar os 32 graus e um local menos turístico, logo, menos congestionado com turistas chineses.

Onde ir:

  • Palácio Real e Silver Pagoda. O Palácio abre às 8h da manhã e a melhor hora para visitar é mesmo à abertura. Não se pode mostrar os ombros nem usar saias ou calções muito curtos.
  • Wat Ounalom. Existem muitos templos budistas na cidade e este é um dos maiores. Engraçado a quantidade de pequenos templos que existem dentro deste complexo. Ideal para passear um pouco e ver os monges na sua rotina diária.
  • Museu Nacional. O Museu Nacional é bom para se conhecer a arte Khmer, mas quem não estiver interessado em passar um dia no museu, passeie na zona exterior ao museu e vá ao Show de Dança Tradicional no Museu, todos os dias às 19h. O espetáculo é fantástico e vale muito a pena. O melhor é reservar com antecedência pelo Tripadvisor.
  • Silk Island ou Koh Dach. Uma forma de conhecer um pouco do Camboja rural. Interessante ver a Silk Farm onde ainda se fabricam écharpes de seda e de algodão feitas à mão e de forma tradicional. 4 horas de viagem pela ilha é o suficiente para se ter uma boa ideia da ilha. E o melhor mesmo é pedirem um tuk tuk no hotel, que não vá pelo percurso de ferry mais turístico. Torna a viagem mais agradável, porque muitos turistas queixam-se que nos ferries habituais há muitos vendedores chatos. Eu fiz a travessia de rio num ferry claramente só usado por locais, o que tornou a viagem muito relaxante.

O que fazer em Phnom Penh:

  • Um tratamento no BodiaSpa. O BodiaSpa é o melhor spa do Camboja, tem preços justos e o espaço é agradável. Para quem nunca fez uma esfoliação fora de casa, aconselho, é algo diferente e eu que só fiz porque estava incluído no pacote que eu escolhi, fiquei agradavelmente surpreendida! Algo a repetir!
  • Uma aula de cozinha. Existem vários locais na cidade onde fazer aulas de cozinha tradicional do Camboja e era algo que eu tinha muito interesse em fazer. Adorei toda a experiência e aprendi tanto sobre a história do Camboja nesta aula, que é algo que marcou imenso.

O melhor de Phnom Penh:

  • A comida. Existem muitos bons restaurantes na cidade e para todos os gostos. Muitos restaurantes franceses, muitos restaurantes de comida vegan e saudável! Existe uma preocupação com os ingredientes usados e muitos restaurantes referem mesmo que não usam MSG [monoglutamato, intensificador de sabor muito usado na cozinha asiática]. É imperativo conhecer também a comida do Camboja, tão saborosa. É muito usada a erva-limão e o gengibre para dar sabor aos alimentos. O leite de coco também está muito presente na cozinha khmer. A maioria dos pratos combinam o doce com o salgado, que é algo muito invulgar na cozinha europeia.

  • As pessoas. As pessoas são super simpáticas e têm um sorriso contagiante. Impossível não sorrir de volta.
  • A possibilidade de relaxar. Apesar de Phnom Penh ser uma cidade vibrante e cheia de vida, existem muitos resorts urbanos na cidade onde é possível relaxar e descansar em piscinas maravilhosas.

 

Dicas!

  • PassApp. É uma aplicação tipo Uber, mas para tuk tuks. Com a aplicação coloca-se o local de partida e de chegada, fica-se a saber o preço da viagem e passado 2-3 minutos temos um tuk tuk à nossa espera no local selecionado. É super fácil de usar e assim não é necessário regatear os preços das viagens. Paga-se ao motorista ou através da app, como se preferir. E é muito mais barato! Indispensável para quem viaja no Camboja!

O Camboja é um país que ainda está a recuperar das feridas da guerra. Curiosamente, quase todos ouvimos falar da guerra do Vietname e o que se estava a passar ao lado no Camboja não foi falado. Ainda existe muita pobreza, a maioria das ruas ainda é muito suja, ainda há muito para fazer para melhorar o sistema de educação e de saúde local. Mas, o turismo está a ajudar a desenvolver o país, a fazer com que mais pessoas tenham empregos e as pessoas têm esperança num futuro melhor para elas e para os filhos e isso é muito bom.  Quem quiser saber mais sobre a tragédia no Camboja veja o filme realizado pela Angelina Jolie, First They Killed My Father, baseado numa história real, disponível no Netflix.

Artigo Anterior Próximo Artigo

Também Poderá Gostar

2 Comentários

  • Responder Maria Luzia Fevereiro 26, 2018 at 2:04 pm

    Olá Andreia ,como sempre adoro ler as suas publicações ,obrigada pela partilha destas informações ,que fazem parte da sua vida .Aprendemos sempre algo novo .! Até à próxima .

    • Responder Andreia Fevereiro 26, 2018 at 2:17 pm

      Ainda bem que gostou, Maria Luiza. Fico muito contente de saber isso. Um beijinho

    Deixar uma resposta

    This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

    Gostou do artigo?

    Subscreva a newsletter para estar a par das novidades!

    Obrigada e até breve!